Quem Gosta de Jogos com Dinheiro Real no Brasil? Um Perfil de Usuário Típico

O iGaming no Brasil é uma realidade em evolução dinâmica. Ele se tornou um nicho de mercado significativo no cenário do entretenimento digital, mas tem suas raízes na cultura tradicional de jogos do país.

Os pesquisadores da ENV Media realizaram uma pesquisa de campo que enriqueceu nosso entendimento do jogador brasileiro típico e esclareceu seus hábitos de jogopreferências atitudes. O perfil resultante fornece informações valiosas sobre o mercado e nos ajuda a oferecer melhores serviços aos entusiastas do iGaming em todo o Brasil.

Principais descobertas

  • O principal motivo para jogar com dinheiro real no Brasil é a disponibilidade de renda disponível (48%), seguido pela emoção dos jogos (40%) e pela qualidade dos jogos on-line (31%).
  • A maioria dos jogadores encara o iGaming de forma casual responsável, com 61% jogando ocasionalmente ou uma vez por mês e 42% gastando menos de 30 minutos por semana.
  • A idade média de um jogador brasileiro que joga com dinheiro real é estimada em pouco mais de 39 anos e a maior faixa etária ainda é de 25 a 40 anos (57%).

A importância da renda disponível e da qualidade dos jogos

O estudo revelou que o principal catalisador dos jogos com dinheiro real no Brasil é a renda disponível dos jogadores. À medida que a economia do país prospera, espera-se que o número de jogadores cresça e que o setor prospere.

empolgação decorrente dos jogos e a própria qualidade do produto também são fatores contribuintes consideráveis. Esses dois fatores contribuem para uma experiência com demanda crescente – jogos de alto nível proporcionam a emoção cativam mais jogadores, fazendo com que eles dediquem seu tempo livre e seus recursos a jogos de primeira linha.

A importância da renda disponível e da qualidade dos jogos

É interessante notar que as recomendações de amigos ou colegas tiveram apenas um impacto relativo (escolhido por 25% dos entrevistados).

Acima de tudo, a ampla gama de motivadores torna evidente que os jogadores procurariam os títulos mais populares e encontrariam os meios (canais) para jogá-los, independentemente de o mercado ser bem regulamentado ou não.

Hábitos de jogo casuais e responsáveis

Os especialistas do mercado também explicam por que a maioria dos jogadores brasileiros aparentemente se envolve com o iGaming de forma casual responsável. A maioria dos jogadores participa esporadicamente ao longo do ano (61%), ou seja, uma vez por mês, e dedica menos de 30 minutos por semana aos jogos.

Apenas 8% participam diariamente. Menos ainda, no entanto (2%), passam mais de uma hora em seus jogos favoritos com dinheiro real.

Hábitos de jogo casuais e responsáveis

Esses números indicam que, para a maioria dos jogadores (ativos), o jogo é mais um passatempo do que um empreendimento sério. Isso também sugere que os hábitos de jogo responsável são amplamente difundidos na comunidade brasileira de jogos.

A natureza infrequente dos jogos on-line também valida seu valor recreativo para a maioria dos brasileiros, o que também esperávamos ver.

Dados demográficos dos jogadores

A profundidade de respostas específicas, combinada com fontes de pesquisa conhecidas publicamente, cria um novo retrato abrangente dos dados demográficos dos jogadores.

Dados demográficos dos jogadores

A idade média dos jogadores brasileiros de dinheiro real parece estar aumentando ligeiramente, chegando a 39,24 anos. Ainda assim, os jogos em nosso nicho são notavelmente preferidos entre os adultos jovens de meia-idade no Brasil. A faixa etária mais significativa continua sendo a de 25 a 40 anos, sendo que mais da metade (57%) tem menos de 49 anos.

Por outro lado, a digitalização generalizada atraiu um grupo demográfico mais amplo do que nunca. Há uma parcela significativa de jogadores e apostadores na categoria de meia-idade – a segunda faixa etária mais populosa é a de 41 a 56 anos, que representa mais de um quarto do total (28%).

Os pesquisadores também descobriram uma representação praticamente igual dos dois gêneros principais na comunidade de jogos.

Indiscutivelmente, os homens são muito mais ativos no segmento de apostas esportivas. Nas apostas não esportivas, os homens apresentam uma participação apenas ligeiramente maior (69%), mas as mulheres não ficam muito atrás, com uma média de 62%.

A faixa etária mais ativa para ambos os gêneros é a de 25 a 34 anos, seguida pelo grupo de adultos mais jovens nos homens (18 24) e pela faixa etária de 35 44 anos nas mulheres.

Níveis socioeconômicos e distribuição geográfica

Os estratos socioeconômicos e a distribuição geográfica dos jogadores brasileiros também fornecem informações valiosas sobre o mercado.

Níveis socioeconômicos e distribuição geográfica

A segmentação dos jogadores é baseada nos Critérios de Classificação Econômica Brasileira (CCEB), um padrão adotado pela Associação Brasileira de Pesquisa de Mercado (ABEP). Vemos que mais da metade dos jogadores que jogam com dinheiro real (52%) pertence aos níveis A dessa classificação, o que leva à hipótese de que os jogos pagos são especialmente predominantes entre as classes média alta.

A distribuição nacional da CCEB mostra que as famílias de nível constituem apenas 2,9% da população brasileira (de acordo com os dados de 2022), enquanto os consumidores B1-B2 representam um total de 21,8%. Os números mais recentes significam que os jogadores de nível B são um pouco mais comuns do que sua participação real na população, enquanto os jogadores de nível A estão significativamente super-representados – essencialmente confirmando a hipótese acima.

O nível de escolaridade dos jogadores está ligeiramente ligado ao acima exposto, mas aparentemente afeta diretamente a demanda por jogos com dinheiro real. As conquistas acadêmicas normalmente levam a uma renda potencial mais alta e, estatisticamente, a mais renda disponível. Portanto, não é surpresa ver que a maior parte dos jogadores tem pelo menos o ensino médio completo (48%). Os graduados em universidades e faculdades vêm logo em seguida (44%).

Detalhamento dos dados demográficos dos jogadores

E, por fim, as sólidas participações de jogadores entre aposentados, donas de casa estudantes (7% cada) são interpretadas como uma indicação de um mercado que está amadurecendo lentamente, mas com certeza. O fato de a demanda por jogos vir de uma ampla gama de segmentos de consumidores significa dias potencialmente mais brilhantes para um mercado que precisa de estabilidade transparência.

Principais preferências de jogos

Alguns dos insights sobre os gêneros de jogos mais jogados não são novidade para as partes interessadas do setor. No Brasil, os vários jogos de loteria têm uma posição dominante no mercado, capturando até 58% da participação de mercado. Isso contribui para os níveis de engajamento relativamente altos entre as faixas etárias mais altas, que variam de 40 a 75 anos.

Principais preferências de jogos

As apostas esportivas são as próximas entre as favoritas nacionais, também ganhando popularidade substancial (32%) entre os jogadores brasileiros. Curiosamente, isso é seguido por um segmento que também é impossível de ignorar – 17% dos usuários confessam participar de jogos não licenciados do mercado cinza conhecidos como “jogo do bicho“, uma tradição passada de geração em geração.

Logo atrás deles estão os vários jogos de cassino – caça-níqueis e jogos de cartas encabeçam a lista, seguidos pelos jogos de mesa tradicionais, como a roleta.

É preciso ressaltar que uma infinidade de títulos de jogo rápido surgiu no segmento em pouco menos de um ano, incluindo minijogos do tipo “crash” e “crossover”, alimentando o interesse constante por jogos leves para celular jogados com dinheiro. Sua popularidade é atribuída a algumas soluções de interface simples, porém envolventes, e às poucas regras que tornam a jogabilidade aparentemente mais casual.

Categoria de jogo favorita

O relatório também descobriu que a maioria dos jogadores tem mais de uma categoria de jogo preferida e está interessada em experimentar novos tipos de atividades de apostas. Isso enfatiza os interesses variados da comunidade de jogadores brasileiros, tornando-os receptivos a diversos tipos de jogos.

Gastos no jogo

Ao levar em conta os jogos on-line off-line, aproximadamente dois terços dos jogadores (67%) alocam R$ 50 ou menos por mês (~ aproximadamente US$ 10). Mais uma vez, isso prova a finalidade recreativa que os jogos com dinheiro real têm para a maioria dos usuários. Um quinto (19%) até limita seus gastos a menos de R$ 10, enquanto apenas 7% confessam gastar mais de R$ 200 por mês.

Dada a expansão incessante das plataformas on-line, uma parte significativa da pesquisa foi dedicada a entender sua influência nas atitudes experiências dos jogadores. O comportamento (e os gastos) mudam apenas marginalmente se nos concentrarmos apenas nos jogos on-line – 63% gastam menos de R$ 50 e apenas 9% gastam mais de R$ 200.

Gastos no jogo

No final, a maioria dos usuários provavelmente joga com menos frequência do que os estudiosos do setor pensavam anteriormente. Análises semelhantes mostram que a maioria dos jogadores prefere jogar regularmente, mas com quantidades menores.

Os números acima revelam que apenas uma parcela insignificante dos gamers pode ser classificada como hard-core em termos de frequência e gastos.

Leia também

Percepção do setor e atitudes de regulamentação do mercado

Embora a maioria dos jogadores adultos perceba o cenário de jogos de azar on-line no Brasil como moderadamente seguro (74%, combinando vários graus de conformidade), muito poucos o consideram totalmente seguro. Claramente, ainda há trabalho a ser feito por todas as partes interessadas no iGaming para aumentar a percepção de confiabilidade do setor.

O consenso entre a maioria das pessoas é que os jogos com dinheiro real servem principalmente para entretenimento – apenas um terço (35%) discorda dessa afirmação.

Mais significativamente, mais de dois terços dos entrevistados reconhecem que o jogo pode potencialmente levar a desafios pessoais e/ou sociais. Apenas 32% não conseguem prever nenhum problema em potencial para si mesmos ou para outros jogadores.

Respostas semelhantes indicam que o público adulto (tanto quanto as autoridades brasileiras) entende que, na ausência de quaisquer medidas e passos práticosa proteção do jogador não é garantida e a qualidade dos operadores não licenciados continua abaixo da média. E, embora essas escolhas sejam geralmente de natureza política, elas afetam os consumidores locais de forma bastante direta e, da forma como as coisas estão, mantêm os benefícios econômicos principalmente no exterior.

Atualizando o perfil do jogador brasileiro

Apesar de vários estudos relevantes do setor na última década, as características motivações dos consumidores de iGaming permaneceram inconclusivas.

Com a ajuda dos dados da pesquisa primária mais recente e de algumas pesquisas secundárias, vimos um perfil de jogador mais definitivo tomar forma. O jogador brasileiro típico que joga com dinheiro real provavelmente:

  • está na faixa dos 30 anos
  • pertence à classe média e têm emprego regular
  • é bem educado
  • reside em uma capital de estado ou em sua vizinhança metropolitana
  • é representado por ambos os sexos
  • participa de 2 ou mais jogos – principalmente loteria, possivelmente apostas esportivas e, ocasionalmente, jogos de cassino on-line, como caça-níqueis ou pôquer
  • gasta entre 10 50 reais por mês para jogos
  • dedica até meia hora ao jogo
  • têm conhecimento limitado sobre as regulamentações atuais, mas uma compreensão adequada do jogo responsável e dos riscos potenciais de um setor sem controle.
Author
Svilen MadjovHead de Pesquisa